VLT deve começar a circular próxima semana em Teresina

A demora no início da cir­culação do Veículo Leve so­bre Trilhos (VLT), anunciado para a segunda quinzena de ju­nho, é alvo de reclamações da população. A mudança do sis­tema, que substituirá o antigo metrô de Teresina, é esperada pela promessa de melhoria no sistema a maior agilidade nas viagens. O trecho entre o bairro Dirceu, zona sudeste de Teresina, e o Centro deve ser percorrido com um ganho de aproximadamente dez minu­tos em relação ao tempo gasto atualmente.

Madalena de Sousa é mora­dora do bairro Dirceu e usuária do metrô de Teresina. Ela recla­ma da demora na implantação do VLT e dos atrasos do metrô.

“Uso ônibus e o metrô, que é mais barato. Quase sempre, quando venho para o hospital, eu pego [o metrô]. (…) Dizem que a esperança é a última que morre, né? Mas eu só vejo ele na TV, aqui ainda não vi ne­nhum dia. Às vezes passo 30, 40 minutos esperando, porque tem a hora lá, mas nem sempre é naquele horário”, destaca.

O governo recebeu a pri­meira composição do VLT, que deve começar a operar na próxima terça-feira (26), se­gundo estimativa do diretor da Companhia Metropolitana de Transporte Público (CMTP) Antonio Sobral. Em entrevista a ODIA, ele explicou que es­tão sendo realizados os testes de campo, que simulam a ope­ração rodando na linha de Te­resina. O teste de campo é fei­to com a colocação de sacos de areia, simulando o que seria o peso de passageiros. Os testes devem terminar ainda essa se­mana, segundo a companhia.

O teste de campo é de res­ponsabilidade da empresa fabricante e faz parte do con­trato. Após a finalização dessa parte, a empresa deve emitir um termo de liberação da ope­ração, que nesse primeiro mo­mento será realizado de forma mista, com o revezamento das composições. O rodízio até a chegada das outras duas composições. A chegada da terceira está prevista para o início do setembro, quando o antigo metrô será substituído de forma integral. O início da circulação na próxima semana depende, ainda, do treinamen­to de pessoal de oficina e con­troladores.

O VLT é fabricado em Bar­balha, no Ceará, e tem recur­sos do Ministério das Cidades e de um empréstimos realiza­do junto à Caixa Econômica Federal. Todo o projeto de implantação e revitalização da malha ferroviária e estações tem a previsão de conclusão para 2020.

Fonte: O Dia
Data: 19/06/2018